quarta-feira, 2 de setembro de 2009

Volta ao Parque Nacional PICOS da EUROPA

O desafio foi lançado pelo Vasco Sousa no início de Julho...” alinhas ir de Aveiro aos Picos da Europa em 5 etapas de bicicleta de estrada?”.. . desafio esse acompanhado por um esboço em papel manuscrito com o Plano de Viagem. Fiquei de pensar no assunto... 2 semanas depois respondi afirmativamente... mas só poderia alinhar em 3 dias de Bragança aos Picos
Afinada a data de partida para final de Agosto... por motivos vários o Plano de Viagem viria a ser alterado deixaria de ser uma ida ao Parque Nacional Picos da Europa para passar a ser uma Volta aos Parque Nacional Picos da Europa, em 3 dias, iniciada e acabada em Leon, Decisão que se mostrou ter sido a mais correcta tendo em conta, entre outros, as distâncias diárias a percorrer (140..160kms por dia).
Assim foi, no dia 28 Agosto iníciamos uma epopeia em bicicleta desta feita as montadas de BTT ficaram em casa e as sacrificadas foram as ‘binas’ de estrada.
Participantes:
Joaquim Pereira
Vasco Sousa


DIA1 - LÉON a POTES com passagem pelo puerto de San Glório (1609m)


Parque Nacional PICOS da EUROPA

Tendo em conta que passava uns dias em Lagarelhos, aldeia próxima de Vinhais, e que o Vasco também tem casa de família na aldeia da Moimenta (a 20kms de distância).. O Ponto de encontro foi na primeira, ás 8:00am partimos de carro em direcção Leon. Durante a viagem houve tempo para conversar e relembrar as etapas que tínhamos pela frente. Chegados a Leon e com o carro estacionado num local seguro, logo tratamos de preparar as nossas montadas para iniciar viagem!


JoaquimP-K2BTT

Iniciamos ás 13:00pm (hora Espanha) ..percorremos o centro da cidade em Direcção à N-621... muito movimento nas ‘calles’ e pessoal na esplanadas.. “o calor aperta”.. tá-se bem. Percorremos os 50kms até Bonar, tendo como pano de fundo a Cordilheira Cantábrica e os Picos da Europa.. sempre em direcção a Norte a altitude não variava muito...dos 850m aos 950m. Bonar é uma povoação no sopé da Cordilheira Cantábrica, a partir daqui parte-se para vários pontos das montanhas que estão ali já tão perto!... a nossa direcção era Riãno a 45kms desta feita a subida em altura era mais notória!... rapidamente atingimos os 1220m para logo descermos aos 900m um pouco a norte de Sabero. Estávamos de novo na N-621.. até Riãno sempre com a presença do vento contra nós...por vezes este soprava com alguma vontade e dificultava-nos a progressão no terreno!...


Vasco Sousa

Aos 85kms a subida à barragem que segura as águas da albufeira de Riãno... estávamos a 1200m de altitude.. o sol reflectido nas águas de cor turquesa da imensa albufeira... os picos da montanha estão aí espelhados... o resultado é fabuloso!... Apesar do nosso companheiro vento, progredimos bem no terreno, chegamos a Riãno e fizemos uma breve paragem para comer algo e apreciar a paisagem....


Albufeira em Riãno

A nossa próxima ‘meta’ seria o Puerto de San Glório (1609m). A estrada N-621 guia-nos pela direita pela margem da albufeira, seguimos até Llanaves de la Reina a 1250m altura a partir deste ponto entra-se nos Picos da Europa e o pendente da subida aumenta consideravelmente.. estamos a 4kms do alto e faltam cerca de 350m de subida “kids stuff”...Foi a partir daqui que tivemos uma desagradável surpresa...à medida que subíamos o nevoeiro adensava-se e a chuva começava a cair!... lá no alto infelizmente não se via nada. O Puerto de San Glório (1609m) fora atingido aos 132kms, restava-nos a descida de 23kms até Potes (300m)...durante a descida, para além de não se ver nada tivemos como handicap’s: a chuva que teimava cair com intensidade, o frio, a estrada que estava em reparação.... ‘cereja em cima do bolo’ um pneu/câmara da Bicicleta do Vasco furou seguido passados 2kms de outro furo, sendo que nesse momento as câmaras de ar disponíveis estavam todas furadas...


'Puerto de San Glório' - depois desta passagem foram 20 kms de frio e chuva até aos 400m

Estaríamos a 1300m de altura e tremíamos de frio....Brrrrr... valeu-nos uma câmara de ar com um furo lento que aguentava alguns kms.... ao mesmo tempo vestimos roupa seca que nos reconfortou.... prosseguiu-se a descida com muita calma.... aos 800m já pedalava-mos fora das nuvens...safa!... mais adiante paramos num bar para um ‘carajillo’ de licor de Baileys, que ajudou a aquecer. Faltavam uns 8kms para Potes, a descida de 23 kms não foi nada agradável mas a chegada a Potes era desejada!... foi um dia com 155kms e 1650m de subida.

No Hotel e depois de idas a banhos e roupa lavada e seca com secador de cabelo, fomos repor calorias!... o descanso era desejado...o dia seguinte não se saberia como seria: as nuvens estavam lá no alto e se teimassem em ficar a sorte não estaria do nosso lado!.. A ver vamos!..


O video do Dia 1 . clique para ver


DIA2 - POTES a CANGAS de ONIZ com ida a Fuente Dé (1090m)

Pela manhã estávamos na expectativa de ver como estava o tempo, as nuvens do dia anterior faziam-nos pensar o pior!.. mas nada como ver!.. janela aberta e podemos constatar que o céu estava nublado mas ali e acolá era visível a cor azul do céu!... haveria que esperar e ver!... Antes de nos lançarmos a caminho de Fuente Dé tínhamos um obstáculo a transpor, depois dos furos do dia anterior, teríamos que arranjar câmaras de ar!... não foi fácil posso dizer, mas adiante..certo é que numa primeira fase fomos a Fuente Dé com as nossas câmaras de ar remendadas com remendos não recomendados (remendos de BTT que não aguentam 8-10 bar de pressão)..foram cerca de 4 câmaras recuperadas que em 24 kms, distância entre Potes e Fuente Dé, foram à vida!...


A subir para Fuente Dé - 24kms desde Potes

A estrada até Fuente Dé é essencialmente a subir (300m aos 1090m) faz-se por um vale alargado de paisagem perfeitamente rural... cruzamos algumas aldeias/povoações.. por ali é possível ouvir o som das aves rapina que voam por ali..de quando em vez é possível observá-las ali bem perto!... Afinal o céu ficou azul e o sol a brilhar.. ao longe a montanha rochosa de cor prateada...lá no alto o Naranjo e Bulnes – tal como um dente espetado naquela massa de pedra... à medida que nos aproximava-mos do nosso destino a parede de Parede de Pedra ficava mais perto!..Chegados a Fuente Dé a paisagem é deslumbrante..estamos numa espécie de grande clareira ladeada em 180º por uma vertical parede de rocha... cá em baixo um extenso tapete verde com vacas, gado e cavalos a pastar... transmite paz aquele local!... para aceder ao alto aos 1600m, o famoso teleférico que em subida e descida quase vertical mergulha nas nuvens e leva trás as pessoas !..uma vez lá em cima os apaixonados do pedestrianismo lançam-se em caminhadas mais ou menos longas os outros limitam-se a apreciar a paisagem e registar todas as fotos que podem!...

Reparar câmaras - que tanto trabalho deram
Quanto a nós!..contemplamos a paisagem com a calma necessária, mas cá de baixo!... assim que demos por ela que deviríamos abalar assim o fizemos, mal arrancamos, pufff... mais uma câmara de ar ‘para o ‘tecto’, claro que sempre na ‘bina’ do Vasco...
Estávamos com problemas!... Só tínhamos mais uma e certo seria que ela rebentaria antes de chegarmos a Potes!...Decisão: eu deveria seguir a todo o gás para chegar o mais cedo possível a Potes ao encontro de alguém que connosco tinha combinado ás 13:00 para nos entregar câmaras de ar para pneus e estrada!... eram 12:48 e tinha 24kms pela frente sempre a descer é certo, lancei-me à estrada passados 26min (média 55kms/h) tinha chegado ao meu destino ainda a tempo de recolher as câmaras de ar, remendos e cola!..Foi de facto a dar o máximo!... Quanto ao Vasco, este ficara apeado em Fuente Dé, com a última câmara de ar a 'furar' pouco depois de ter sido substituída...hehehe... de dedo esticado este acabou por arranjar boleia para ele e para a ‘cabra’ até Potes.... esperava-o enquanto me deliciava com uma ‘cãna’ numa bela de uma esplanada ao mesmo tempo que me dedicava ao bricolage remendando umas câmaras de ar..

Fuente Dé (1090m) - a velha cabine
Rumo a Cangas de Oniz!...Em Potes tinhamos 50kms feitos e haveria que percorrer mais 90kms até ao nosso destino final!... Lá seguimos N-621 em direcção a Norte, 33kms até Llanes e depois mais 57kms até Cangas... A primeira parte do percurso foi basicamente percorrer o Desfiladeiro da Hermida sempre a descer até aos 50m de altura do nível do mar!....... o mais impressionante é o comprimento do desfiladeiro, a descida é suave feita numa estrada estreita a acompanhar o rio que serpenteia o rasgo aberto entre paredes altas de montanha rochosa... durante toda a descida que demorou cerca de 1 hora a ser percorrida..o vento contra nós é constante, as rajadas por vezes sopram forte e para progredir foi necessário carregar nos cranks com vontade– “kids stuff”.
Picos da Europa - Fuente Dé
Llanes alcançado, virou-se à esquerda tomamos a AS-114 em direcção a Cangas de Oniz!.. Ao nosso lado corre o rio Cares..local por excelência para a prática de canoagem rafting, e outros desportos de rio, do nosso lado esquerdo o Parque Nacional dos Picos da Europa e as suas montanhas rochosas... a estrada é ligeiramente a subir mas são precisos mais de 35kms para nos depararmos com uma subida ‘à séria’ “kids stuff”... até ao miradouro de Canales, onde fizemos uma paragem para observar todo o vale e montanhas....é impressionante!..
Cangas de Oniz
Estamos a pouco mais de 20kms de Cangas... é basicamente a descer até aos 150m ... a progressão nessa altura foi muito rápida..mesmo nas partes planas..rara a vez em que baixamos de 35km/h de velocidade instantânea. Chegados a Cangas por volta das 18:30... a nossa ideia inicial seria subir até aos Lagos de Covadonga... mas rapidamente chegamos à conclusão que o melhor seria ir até lá de autocarro!... Mais uma vez viemos a verificar que a decisão fora acertada!... mas o relato do dia seguinte o dirá!...
O video do Dia 2 . clique para ver

DIA3 - CANGAS de ONIZ a LÉON com ida aos Lagos Covadonga
Acordamos muito cedo!.. 7:30 ..tinha-mos decidido ir o mais cedo possível ao lagos de Covadonga de autocarro..os primeiros começavam a passar ás 9:00..Após o pequeno almoço lá fizemos caminho para a paragem!... 9:20 estávamos a subir... desde Soto de Canga até aos 1100m onde se situam os lagos!... impressionante subida com pendentes a ascender os 20%..seguidos de planos ou descidas para voltar a subir..quanto mais se subia mais era perceptível a dificuldade da subida!... os muretes sucessivos que ladeiam o lado de fora da estrada ao longe revelam o perfil da subida e dão a ideia que estamos a percorrer a ‘Muralha da China’... relativo à paisagem toda a descrição que possa aqui fazer ocultará a real beleza do espaço... tudo é lindíssimo, os lagos são apenas algo também de muito belo!... Aconselho que todos que por ali se passeiem que não faltem a este cenário!... por lá ficamos algum tempo.
A subida para os Lagos de Covadonga

Lá no alto a passeata junto aos lagos

Lagos de Covadonga
Tínhamos 165 kms para percorrer nesse dia.. e os iniciais 50 kms seriam ascender dos 150m de altura até aos 1280m no Puerto El Pontón.... e assim começamos a nossa jornada... tomamos a N-625 em Cangas de Oniz e iniciamos o percurso pelo desfiladeiro, sempre acompanhados pelas rochosas montanhas e pelo correr de um rio. Este desfiladeiro é bem mais estreito que o da Hermida e na minha opinião mais belo e austero!... Certo é que kms iam sendo percorridos e a cota em altura pouco aumentava, só a partir do 38km é que começamos a subir verdadeiramente faltavam por isso 12kms para atingir o ‘puerto’ e tinhamos 850m de desnível para vencer, estavamos perante uma pendente médio de 7% de subida..caso para dizer “kids stuff”
Vista sobre o vale desde o 'Puerto El Pontón'

No topo do 'Puerto El Pontón'
À medida que subiamos a vista sobre o vale era cada vez mais alargada, tinhamos deixado o desfiladeiro e estávamos agora com os horizontes mais alargados onde era visível os montes a juntarem-se em vales e estes vales a ´desaguarem’ noutros vales de maiores dimensões… a paisagem é por isso imensa preveligiados são cofourm estas vistas quem mora nas aldeias de Ribota, Oseja de Sajambre, Vierdes, Pio,… Chegado lá acima somos oferendados pela água fresquinha da ‘Fuente del infierno’, era disso que estavamos a precisar.
Contemplada a paisagem de seguida seria tempo de descida, sim descer até Riãno, e a sua albufeira, parando no entanto para almoçar em Vegacerneja… estavamos com vontade de comer e o repasto veio mesmo a calhar. Depois de tão delecioso almoço haviam cerca de 110kms a percorrer até ao nosso destino final!... kms esses que foram percorridos a bom ritmo em cerca de 4h (incluino paragens). O Final da etapa resultou em 165kms e 1700m de subida acumulada.Leon estava ali..tinhamos chegado e cumprido o nosso objectivo… tinham sido percorridos 460kms por paisagens magníficas em 3 bem passados dias a pedalar e passear!...

O video do Dia 1 . clique para ver

Restava regressar a casa de carro..Leon-Santa Maria da Feira/Aveiro..assim o fizemos tendo corrido tudo bem!...
Bem Haja
K2BTT
‘sempre a pedalar por um trilho diferente’

4 comentários:

alan_1688@hotmail.com disse...

http://www.jovem-tribuna.blogspot.com/

BruMau disse...

Fantástico Joaquim, conciliar o ciclismo com a Natureza. Adoro os Picos da Europa, já fiz por lá uns caminhos e adorei. Lembro-me da subida ao monte Naranjo, 5 estrelas.

K2BTT disse...

pois é caro Bruno!.. foi de facto um belo passeio!... os Picos são de facto fantásticos.. e seja qual seja o motivo.. na nossa vida devemos passar lá mais não seja que 2 dias!...
Também por lá já tinha andado á 12 anos atrás..pedestrianismo o regresso apenas reforçou a ideia que já tinha...é excelente

NANDO_BTT disse...

Viva Malta:

Ganda volta, agora estou a ver o que perdi... Isso foi bom para manter o nivel da GR22... Os locais e paisagens são fantásticos. Parabens...

F. Silva